A carregar Eventos

« Todos Eventos

Ī ḍ ā — Filipe Baptista

Março 6 - Março 12

Ī ḍ ā — Filipe Baptista

Residência artística integrada nas Bolsas YEP, em parceria com a Rua das Gaivotas 6.
website | facebook | instagram

 

Vários corpos encontram-se no interior de uma sala. Este espaço manifesta uma paisagem que acusa escutar, sentir e dialogar com quem lá entrar.

Esta criação manifesta um olhar sobre o que representa acedermos a um espaço sagrado exterior e/ou interior a nós e sobre a persistente ciclicidade de vida que cada corpo representa. É sobre ciclos de destruição e criação, sobre encontro, sobre desejos, sobre rituais e sobre transformação.

 

Ficha Artística / Técnica

Direção artística e criação: Filipe Baptista
Interpretação e co-criação: Ana Silva, António Olaio, Beatriz Almeida, Filipe Baptista, Hugo Marmelada, João Pedro Fonseca, Mário Coelho, Teresa Manjua
Desenho de luz: João Pedro Fonseca
Dispositivo sonoro e sonoplastia ao vivo: Filipe Baptista
Apoio à criação: Pedro Baptista
Produção e comunicação: Filipe Baptista
Co-produção: YEP (Young Emerging Performers), uma parceria entre Rua das Gaivotas 6/Teatro Praga e O Espaço do Tempo
Residência de co-produção: O Espaço do Tempo
Apoio a residências: Binaural/Nodar, Pro.Dança, Rua das Gaivotas6
Apoios: DGArtes – Direção-Geral das Artes, SelfMistake, Zabra, Companhia Olga Roriz, Rua das Gaivotas 6/Teatro Praga

 

Sobre Filipe Baptista

Artista transdisciplinar, que desenvolve trabalho nos domínios da dança/performance, música/sonoplastia e arte visual/multimédia. Nascido em Lisboa, Filipe Baptista começou o seu percurso artístico como bailarino em 2008 através das danças urbanas. Em 2011 inicia a sua formação em dança contemporânea e performance. Trabalhou em criações de Madalena Victorino, Malavoadora, Kwenda Lima, Amálgama Companhia de Dança, Mário Coelho e Pedro Baptista. Criou o solo de dança Between a Rock and a Hard Place apresentado no IX Festival Internacional de Solos de Dança Contemporânea. Colaborou com Mário Coelho facultando apoio à criação e ao movimento na peça É Difícil Para Mim Dançar!. Criou o projecto de video-instalação ZÉNITE: Quadros de um Grande Jogo Poético, que estreou no Festival A Salto 2020, em Elvas, e a peça de dança-performance NADIR, apresentada no ano seguinte na Rua das Gaivotas6. Em 2021, é convidado enquanto criador-performer para o projeto de curadoria All Tomorrow’s Parties do colectivo SillySeason, onde criou e apresentou a performance ATMA_0.7, com posterior e contínua circulação (Bienal de Artes de Coimbra, Zabra, etc.).

Paralelamente ao seu trabalho enquanto criador e intérprete, foi desenvolvendo sempre uma pesquisa também através de outros media, como é o caso do som e da arte digital. Já criou vários objectos de arte digital interativa e videográficos, bem como o trabalho sonoro para várias peças de teatro e performance.

Atualmente encontra-se a desenvolver a sua mais recente criação, a peça provisoriamente intitulada Īḍā, que representa a continuidade da sua pesquisa sobre a questões que o têm acompanhado, como é o caso do escutar e observar aquilo que é manifestado além da macro-realidade, da transcendência física, da dimensão sacra dos corpos e dos espaços, da visibilidade e invisibilidade da matéria, etc.

Detalhes

Início:
Março 6
Fim:
Março 12
Categoria de Evento:
Etiquetas de Evento:
,

Local

Blackbox
Lg. do Terrado 4
Montemor-o-Novo, Évora 7050-165 Portugal
+ Mapa do Google