Conferências

CONFERÊNCIAS AO AR LIVRE > 11 E 12 JULHO 2020 > Montado do Freixo do Meio

> Programa Sábado 11 julho
> Programa Domingo 12 julho

Vagas limitadas e sujeitas a inscrição através de formulário online, disponível a partir de sexta-feira, 3 de Julho, às 8:00 da manhã. Inscrições aceites por ordem de chegada. Mais informações: info@oespacodotempo.pt / +351 913 699 891 

Depois do período de confinamento, eis o regresso às nossas actividades dentro de um novo normal. Nos dias 11 e 12 de Julho, em colaboração com a Cooperativa de Usuários do Freixo do Meio, promovemos um fim‑de‑semana repleto de actividades ao ar livre – conferências, eventos, passeios e gastronomia -, num dos mais emblemáticos projectos de produção agro-ecológica do nosso país.

Será o primeiro evento pós-confinamento aberto ao público e, nada melhor do que passar um bom fim‑de‑semana no campo, usufruir dos encantos do montado alentejano e reflectir em conjunto sobre os desafios do momento actual. Obviamente, obedecendo às mais exigentes regras de protecção sanitária.

Com a moderação de Ana Sousa Dias e com a presença de figuras incontornáveis da nossa sociedade, as conferências terão lugar no sábado, 11 de Julho, às 11h00 e às 17h00, e no domingo, 12 de Julho, às 11h00 e às 16h00. Após um momento de encontro, às 10h00, para café e leitura de jornais, cada conferência terá duração de cerca de 2 horas, incluindo tempo de diálogo com os assistentes. Estes momentos serão difundidos em streaming, na página do facebook do Espaço do Tempo.

Devido à actual situação de pandemia, as vagas serão limitadas e sujeitas a inscrição através de formulário online, disponível a partir de sexta-feira, 3 de Julho, às 8:00 da manhã. As inscrições serão aceites por ordem de chegada e serão confirmadas através de email enviado para os inscritos. Após esta confirmação e recebimento do respectivo comprovativo de pagamento nas 48 horas seguintes, a inscrição é validada. Todas as inscrições com pagamentos que excederem este prazo serão canceladas aceitando-se, de imediato, aquela que estiver em lista de espera.

O preço da inscrição é simbólico, reflectindo apenas as despesas com logística afectas à Montado do Freixo do Meio. Existe a possibilidade de acampar no Eco Camping do Freixo, mediante uma pequena verba que inclui o pequeno-almoço. No que toca a refeições, encorajamos todos os participantes a inscreverem-se no serviço do Restaurante do Freixo do Meio, contribuindo não só para a sustentabilidade deste projecto agrícola, mas também para gerar menos resíduos, factor essencial na manutenção daquele espaço. Para os residentes no Concelho de Montemor-o-Novo será guardado um número prioritário de vagas.

 

O FIM DO VELHO NORMAL

A 18 de Março de 2020 foi decretado, pelo Presidente da República, estado em emergência em Portugal, face à proliferação de casos registados de contágio de COVID-19, entrando em vigor 4 dias depois.

Esta data marcou o fim do velho normal, obrigando-nos a encerrar os nossos espaços, adoptar o regime de teletrabalho, reagendar todas as atividades previstas para as semanas seguintes e a redesenhar o nosso modo de trabalhar e de acolher artistas e público a partir do momento que pudéssemos recomeçar, condicionados obviamente pelo cumprimento de exigentes normas de proteção sanitária.

Até aquele momento, o ciclo de conferências “Temos e não sabemos” estava previsto realizar-se aos sábados de manhã, em 7 sessões, entre Janeiro e Junho de 2020, no então recentemente estreado local de trabalho, a Oficina Magina.

Levámos a cabo duas sessões: A primeira, dia 18 de Janeiro, dedicada ao tema “Portugal na terceira década do milénio”, com a diplomata Ana Gomes, o filósofo Viriato Soromenho Marques e o jornalista António José Teixeira. Vídeo integral aqui. Seguiu-se 15 de Fevereiro, sessão desta vez dedicada a “Portugal, uma diversidade ambiental única” com a bióloga marinha Raquel Gaspar, o geógrafo João Ferrão e o economista Rogério Roque Amaro. Vídeo integral aqui.

As restantes 5 sessões já não puderam acontecer.

 

EDITORIAL “TEMOS E NÃO SABEMOS”
Curadoria: Rui Horta
Moderação: Ana Sousa Dias

O maior desafio que o nosso país enfrenta é o seu próprio desenvolvimento e a capacidade de sair de um sistema endémico de estagnação onde inúmeras reformas de fundo estão por fazer, a assimetria entre ricos e pobres é gritante e a pobreza é ainda uma constante. Perante a ausência de muitas respostas por parte do sistema político, testemunhamos cada vez mais um despertar dos cidadãos para um desígnio importantíssimo na reflexão e intervenção nas mais diversas causas que permeiam a nossa vida em sociedade. Estas conferências são o nosso pequeno contributo.

Procurando a resposta na capacitação desses mesmos cidadãos, o debate e o cruzamento de ideias tem uma importância fulcral. O título deste ciclo de debates é TEMOS E NÃO SABEMOS e a estrutura que o guiará é a própria estrutura do debate que a sociedade procura: não apenas discutir os problemas e a sua solução, mas sobretudo discutir as oportunidades que estão ao nosso alcance para construirmos um futuro melhor.

TEMOS E NÃO SABEMOS, pois a falta de cultura, de educação e de cidadania são hoje uma venda opaca que não nos deixa descobrir tantas e tantas oportunidades que estão à nossa volta. Entramos e saímos de crises pois não construímos modelos sólidos assentes nestes pressupostos. Gostaríamos de debater numa lógica de bom senso e saber, com contributos experientes mas também novas caras e novas ideias. Vamos discutir o futuro, a sociedade em que gostaríamos de viver e o modelo de país que imaginamos. E vamos ouvir os que pensam sem narrativas fixas.

Portugal na terceira década do milénio
Portugal, uma diversidade ambiental única
TEMOS E NÃO SABEMOS > Sábado 11 julho
TEMOS E NÃO SABEMOS > Domingo 12 julho